Toda Mídia
Toda Mídia
 

3

E os problemas continuam. A coluna "Toda Mídia" de hoje está aqui.

Escrito por Nelson de Sá às 09h20

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Aviso 2

E continuam os problemas técnicos, que agora impossibilitam qualquer post mais extenso. Devem ser sanados até amanhã.

A coluna de hoje está aqui. E uma análise da cobertura da posse, aqui.

Mais as capas de jornais selecionadas por Guardian, Gawker e Daily Kos. E capas à vontade no PressDisplay e no Newseum.

Escrito por Nelson de Sá às 09h58

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Robber-baron"

O "New York Times" confirma que fechou com o bilionário mexicano Carlos Slim um empréstimo de US$ 250 milhões "para ajudar a empresa do jornal a financiar seus negócios", como havia adiantado o "Wall Street Journal". O acordo é parte do esforço para "levantar dinheiro" e pagar US$ 1,1 bilhão em dívidas "nos próximos anos".

_ Mr. Slim não terá representação no conselho da empresa ou quaisquer ações com direitos especiais de voto, como aquelas da família Sulzberger, que controla a empresa.

Um ano e meio atrás, o mesmo "NYT" publicava o texto "Plutocracia mexicana prospera em concessões para barão-ladrão", com trechos tipo "como muitos barões ladrões _ou oligarcas russos, ou executivos da Enron_ Mr. Slim traz à mente as palavras de Honoré de Balzac: Por trás de toda grande fortune há um crime".

O crime maior teria sido a transferência do monopólio estatal de telefonia fixa pelo então presidente Carlos Salinas para Slim, "seu amigo", nos anos 90. Logo seguida da concessão da única licença para exploração de telefonia celular, também por Salinas, para Slim.

No Brasil, Slim entrou pela telefônica Embratel e hoje tem também a Claro, a segunda maior operadora de telefonia celular. E a Net, a maior operadora de TV a cabo e acesso à internet, que adquiriu junto à Globo.

Pacto de confiança - A revista "Imprensa" postou entrevista com Eurípides Alcântara, diretor editorial da "Veja", sob o título "Superlativismos", que "destaca a maior estratégia que levou a revista à casa dos milhões: estabelecer e manter um pacto de confiança com sua base de leitores, formada por integrantes da classe média".

Alcântara vs. Nassif - No post "A saída de Eurípides", o blog de Luis Nassif, que fez uma série contra a "Veja" e é questionado por Alcântara na entrevista, destacou a passagem em que a "Imprensa" afirma que o diretor editorial "atingiu agora o posto máximo, com indícios no mercado de que esteja próximo de uma promoção".

De 50 para 37 - O site Blue Bus informa que a estréia da novela "Caminho das Índias" alcançou média de 37 pontos, ontem na Globo, segundo dados prévios do Ibope referentes à Grande São Paulo. O capítulo final de "A Favorita", na sexta, marcou 50 pontos, segundo o blog de Patrícia Kogut no Globo Online.

Endemol sem Globo - O site Tela Viva informa que a produtora holandesa Endemol, que detém os direitos do formato "Big Brother", "prepara uma nova empresa no Brasil, independente da Endemol Globo", para "vender seus diversos formatos a outras emissoras".

Televisa vs. Record - O blog Canal 1 informa que, em reuniões na Cidade do México, a Televisa reprovou a sinopse da Record para a produção brasileira da novela "Betty, a Feia", que previa mudanças. "A confusão começou", diz o blog, sobre a associação das duas emissoras.

Escrito por Nelson de Sá às 09h00

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Washington, cidade ocupada

Ainda presidente, George W. Bush declarou "estado de emergência" em Washington, para a posse. E a mídia também instalou sua "cobertura de emergência" hoje, diz o Politico. A CNN distribuiu celulares por satélite, para o caso de corte de energia, e colchões. Também o "Washington Post". Na "cidade ocupada", com ruas fechadas e barreiras, a mídia deve se posicionar logo cedo.

Desculpas - No domingo, às vésperas do Dia de Martin Luther King e da posse, o jornal "The Meridian Star", do Estado do Mississippi, deu editorial para "honrar" os que lutaram pelos direitos civis no Sul dos EUA, nos anos 50 e 60, e para "oferecer nossas sinceras desculpas" por não reagir à "injustiça de escolas e ônibus segregados" e não defender então o voto dos "mississippianos negros".

Sem desculpas - Canal que "simboliza os anos Bush", a Fox News decidiu mudar a sua programação, noticia o "New York Times". Mas é para "escorar sua base de espectadores" à direita, não em busca de equilíbrio sob Barack Obama. Mas uma de suas atrações, o âncora ultraconservador Sean Hannity, vem perdendo audiência para uma estrela ascendente, a liberal Rachel Maddow, da concorrente MSNBC.

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h26

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Aviso

Por restrições técnicas, o blog está impossibilitado de postar imagens. Peço desculpas aos leitores.

Escrito por Nelson de Sá às 08h00

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Cresce a publicidade (do governo)

O site Propaganda & Marketing destaca que "ministérios recuperam verbas" e o governo federal deve gastar mais em publicidade do que no ano passado. Cidades saltou de R$ 33,6 milhões para R$ 122,9 milhões. Educação, de R$ 18,5 milhões para R$ 28.8 milhões.

A Secretária de Comunicação Social foi para R$ 191 milhões, aumento de 10%, um "dinheiro extra a ser empenhado no trabalho de relações públicas para recuperação da imagem do Brasil no exterior".

_ A exceção é a Petrobras, que cortou R$ 70 milhões do orçamento de publicidade e gastará 35% menos, cerca de R$ 200 milhões. O corte seria reflexo da crise econômica.

Record, de novo - Depois de "mais um embate feroz entre a Globo e a Record, a vencedora foi a emissora do bispo Edir Macedo", postou o Radar. Por US$ 20 milhões, comprou os direitos de transmissão para o Brasil e para o mundo dos Jogos Pan-Americanos de 2015, não só para a televisão, mas "todas as mídias".

24,5 milhões e subindo - O Ibope/NetRatings divulgou, via Folha Online, Teletime e outros, que 2008 terminou com 24,5 milhões de usuários residenciais de internet, 14,7% mais que em 2007. Contando o acesso por lan-houses, telecentros etc., o número salta para 43,1 milhões.

Concorrência - Começa no segundo semestre o levantamento de audiência de internet do Instituto Verificador de Circulação. O site Propaganda & Marketing entrevista o presidente do IVC, para quem o novo serviço "vai dar credibilidade ao investimento dos anunciantes".

Games vs. news - A coluna de Mônica Bergamo informa que, segundo pesquisa da Cultura Data, ligada à estatal TV Cultura, 42% dos frequentadores de lan-houses de São Paulo acessam sites de notícias e entretenimento e outros 42% acessam jogos on-line.

Escrito por Nelson de Sá às 11h29

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Tudo em ordem

A Globo surgiu em "plantão" nos intervalos e depois no "Fantástico", em entradas rápidas, voltando logo para a divulgação de sua nova telenovela. A Record chegou a suspender a transmissão do "Domingo Espetacular", para apresentar ao vivo o desabamento, acionando até o apresentador Reinaldo Gottino, mas depois recuou na cobertura.

O tenente porta-voz Miguel Jodas, ao vivo na mesma Record, admitiu que havia mais mortos, mas argumentou que sua ordem era trabalhar com "números oficiais", ou seja, um morto. Assim foi até perto de 23h, quando se anunciaram sete mortos.

Foi depois que o prefeito e governador apareceram por lá. No registro do UOL, às 22h30, "sobre os alvarás do prédio, Gilberto Kassab disse que não há como saber como está a situação documental da igreja, mas que inicialmente a informação é que está tudo em ordem". O Estadão registra que, dez anos atrás, o imóvel já havia sido fechado pelo Contru por "problemas justamente no telhado".

Em tempo, a transmissão da Record registrou que também a Igreja Renascer havia dado ordem a seus fiéis para não falarem aos jornalistas.

Escrito por Nelson de Sá às 09h35

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O Primeiro

Sites de mídia, como o blog de Michael Calderone no Politico, adiantavam ontem a capa da "New Yorker", que chega hoje às bancas nos EUA com retrato feito por Drew Friedman, intitulado "The First", o primeiro.

A revista havia sido criticada, inclusive pela campanha democrata, por capa anterior que mostrou Barack e Michelle Obama como um casal de extremistas no Salão Oval, na Casa Branca.

 

 

 

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h56

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Jornais lá

 

Para as edições e capas, "NYT", "WSJ", "WP", "FT" e "China Daily". "WP" e "China Daily" também no PressDisplay (lista por país, à esq.). Capas de "NYT", "WSJ" e "WP" também no Newseum (por Estado, à esq.).

Para os sites, NYT, WSJ, WP, FT e China Daily.

Escrito por Nelson de Sá às 08h42

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Jornais cá

 

Para as edições e capas originais, Folha, "Estado" e "Valor". Com acesso restrito, "Globo". Folha, "Globo", "Estado" e "Valor" também no PressDisplay (lista por país, à esq.). Capas de Folha, "Globo" e "Estado" também no Newseum (por país, à esq.).

Para os sites, Folha OnlineGlobo Online, Estadao.com.br e Valor Online.

Escrito por Nelson de Sá às 08h01

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Revistas

  

 

Para as edições e capas, Veja, CartaCapital, Época e IstoÉ.

Escrito por Nelson de Sá às 10h40

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Jornais lá

 

 

Para as edições e capas, "NYT", "WSJ", "WP", "FT" e "China Daily". "WP" e "China Daily" também no PressDisplay (lista por país, à esq.). Capas de "NYT", "WSJ" e "WP" também no Newseum (por Estado, à esq.).

Para os sites, NYT, WSJ, WP, FT e China Daily.

Escrito por Nelson de Sá às 10h35

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Jornais cá

  

Para as edições e capas originais, Folha e "Estado". Com acesso restrito, "Globo". Folha, "Globo" e "Estado" também no PressDisplay (lista por país, à esq.). Capas de Folha, "Globo" e "Estado" também no Newseum (por país, à esq.).

Para os sites, Folha Online, Globo Online e Estadao.com.br.

Escrito por Nelson de Sá às 10h35

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A corte de Obama

Às vésperas da posse, Barack Obama corteja a mídia sem parar. Encontrou-se esta semana com os principais colunistas de esquerda e direita, inclusive Maureen Dowd e Frank Rich, David Brooks e William Kristol, os quatro do "New York Times". Em coletiva, pediu ideias ao Nobel Paul Krugman, também colunista do "NYT".

Deu entrevistas às principais redes, primeiro NBC ("Meet the Press"), depois CBS, ("60 Minutes"), por fim ABC ("This Week"). E entrevistas ao "Los Angeles Times", ao "USA Today" e ao "Washington Post".

Faltou uma entrevista ao "NYT", o que pode ter levado ao incidente da semana. Para falar ontem ao "WP", Obama visitou sua redação e uma repórter do "NYT" que cobre o presidente eleito, Helene Cooper, fez uma nota para o pool de cobertura descrevendo:

_ Cerca de cem pessoas _talvez repórteres do "Post"?_ esperavam a chegada do presidente eleito, torcendo e sacudindo seus copos de café. O pool é mantido numa van do lado de fora, enquanto Obama concede sua entrevista ao "Washington Post", e se esforça enormemente para encerrar este relatório sem dizer o que realmente pensa do que está acontecendo.

O "WP" reagiu de bate-pronto no blog Voices, insinuando que a crítica se deveria à inveja do "NYT". E posteriormente negou, em relatos do colunista de mídia Howard Kurtz e do blogueiro Joel Achenbach, qualquer "comportamento impróprio" de seus jornalistas, embora os textos reconheçam que a redação mostrou excitação.

De todo modo, ao menos um jornalista anônimo brincou, segundo  reportagem do mesmo "WP", em meio à corrida para cumprimentar Obama, "Lá se vai nossa objetividade jornalística".

Sem favorita - O colunista Daniel Castro escreve que "a Globo se despede de um pesadelo" hoje, com o fim da novela "A Favorita". Foi "a segunda pior audiência da década", no horário nobre, e o encerramento em janeiro "é totalmente atípico" e poderia "prejudicar a sucessora".

Aparência - Autor de novelas na concorrente Record, Tiago Santiago diz que "a Globo trabalhou muito por 'A Favorita'. Fez um fracasso, para os seus padrões, parecer grande sucesso. Tem um império de comunicação com esse propósito".

Para 2010 - Fernando Rodrigues escreve que, "de janeiro a novembro de 2008, o governo de São Paulo (José Serra) gastou R$ 110 milhões em propaganda". A estatal paulista Sabesp "gastou outros R$ 28,3 milhões", veiculando comerciais até em Salvador, Manaus etc.

Serra lá - O governo de São Paulo passou a disputar espaço com o governo federal, cujos gastos com propaganda foram dez vezes superiores no período, em duas páginas da revista "CartaCapital", na última edição de 2008, reproduzida abaixo:

Escrito por Nelson de Sá às 10h57

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A guerra perdida

O ataque ao prédio do canal Al Arabiya e da Reuters em Gaza foi a gota d'água. No meio do dia, a agência ocidental destacava que a federação internacional dos jornalistas, em Bruxelas, abriu uma investigação sobre "a estratégia de intimidação".

E a nova "Economist" saiu avaliando que Israel "perde a guerra de propaganda". Usa "táticas no front de mídia tão astuciosas" como no front armado _citando da proibição da entrada dos jornalistas ocidentais em Gaza, já em novembro, à oferta de um "batalhão de porta-vozes" para disseminar sua versão a "jornalistas, editores, colunistas". Mas Al Jazeera e outros "floresceram" e mostraram "o sangue, a aflição e a dor" que, por fim, teriam virado "a guerra de palavras e imagens".

Ontem também, registre-se, o jornal "Independent" anunciou que passa a reproduzir em seu site os vídeos da Al Jazeera.

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 09h39

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores
Blog da coluna "Toda Mídia" (assinantes Folha e UOL), de segunda a sexta, pela manhã, escrito pelo jornalista Nelson de Sá.

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.