Toda Mídia
Toda Mídia
 

Fui

Aos queridos leitores,

encerra-se aqui este "Toda Mídia Eleições". Espero que tenha sido de utilidade para vocês, nestes intensos e atribulados dois meses e meio. Até a próxima,

abraços a todos, Nelson

Escrito por Nelson de Sá às 11h00

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O povo quer saber

Do blog de Tutty Vasques no iG/Nomínimo, link também ao lado:

_ Passadas as eleições, o povo quer saber: Marcos Paulo vai ou não vai pegar a noviça rebelde interpretada por Letícia Sabatella na novela das oito? Dizem que o José Mayer anda inconformado.

Escrito por Nelson de Sá às 10h13

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Caras novas

Bom dia. Na coluna "Toda Mídia" de hoje, com links, "Lula em quatro redes", o fim do privilégio à Globo (assinantes).

Nas primeiras páginas, a Folha e outros destacam em manchete que "Lula reafirma a política econômica".

O "Valor" destaca as articulações de Lula e do governador eleito do Rio, Sérgio Cabral, "Lula já inicia as reuniões com novos governadores". Ontem telefonou e hoje vai se encontrar com o peemedebista Cabral e o socialista Eduardo Campos, de Pernambuco. Também ligou para o peemedebista Eduardo Braga, do Amazonas, e a petista Ana Júlia Carepa, do Pará, e recebeu ligação do tucano Aécio Neves, de Minas.

Também na Folha, como segundo destaque na primeira página, as articulações de Cabral, que anunciou defender o apoio do PMDB a Lula. Na coluna de Raymundo Costa no "Valor", a avaliação de que o presidente quer uma "política de governadores".

Sobre ministros, a Folha informa que o empresário Jorge Gerdau "foi sondado" e "mostrou disposição", possivelmente para a Fazenda. E o "Valor" traz na submanchete que o "agronegócio busca nome de consenso" e o mais cotado é Márcio Fortes, hoje ministro das Cidades e bancado pelo governador Blairo Maggi, de Mato Grosso.

Abaixo, as primeiras páginas (clique nas imagens). Outros jornais do Brasil e do mundo, aqui. Clique em "Map View" e depois em "S. America" para encontrar os brasileiros, como "Gazeta Mercantil" (SP), "O Dia" e "Jornal do Brasil" (Rio) e "A Tarde" (Salvador).

 

  

Escrito por Nelson de Sá às 08h43

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Por uma avaliação menos passional

Do ombudsman da Folha, Marcelo Beraba, sob o título "O rolo compressor" (assinantes), também nos links da coluna ao lado:
_ Terminada a campanha, é de se imaginar que os ânimos arrefeçam e que, aos poucos, seja possível uma avaliação menos passional do papel da imprensa nesta eleição. Há questões que ficaram no ar a exigir estudo e reflexão. Uma primeira questão é a da influência: que poder ainda resta aos meios tradicionais (rádios, jornais, revistas e TVs) na formação da opinião pública e na opção eleitoral? Os palpites oscilaram conforme o humor dos fregueses. Houve quem tenha visto nos meios os protagonistas de um golpe contra a reeleição. E houve, não necessariamente outros, os que chegaram à conclusão de que os meios tradicionais já não têm importância. Amordaçá-los ou depreciá-los? E a internet e os blogs, que papel tiveram de fato? Luis Nassif avaliou que estas eleições marcaram "o fim do poder absoluto da grande mídia sobre o mercado de opinião brasileiro". Será que havia antes um poder absoluto? E será que o poder que tinha realmente chegou ao fim? A esperança é a de que, com um pouco de distanciamento, consigamos fugir dos extremos e seja possível entender que papel a imprensa está tendo e que erros e acertos cometeu.

Escrito por Nelson de Sá às 12h24

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Lula e Larry

Do correspondente do "New York Times" que estava para deixar o cargo quando escreveu que Lula bebia e foi ameaçado de expulsão, Larry Rohter, no despacho intitulado "Presidente do Brasil é reeleito com vitória esmagadora" (landslide), já traduzido no portal UOL
_ Superando uma série de escândalos de corrupção e políticos que mancharam a sua imagem e minaram a sua credibilidade, o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, obteve a reeleição em uma esmagadora vitória.
O despacho praticamente se estende sobre um só assunto, escândalos.

Escrito por Nelson de Sá às 10h23

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Lula e a Globo

De Paulo Henrique Amorim, ex-Globo, hoje na Record e no portal iG, onde postou sob o título "Lula não deu entrevista ao 'Fantástico'":

_ Em 2002, imediatamente após saber que tinha sido eleito, Lula deu uma entrevista a Pedro Bial, no "Fantástico". Ontem, a primeira pergunta de uma entrevista coletiva coube ao repórter Celso Teixeira, da TV Record; à Globo coube a mais longa pergunta da história do jornalismo contemporâneo. Em 2002, na segunda-feira após a eleição, Lula “co-ancorou” o "Jornal Nacional" com Fátima Bernardes e William Bonner. E hoje?

E de Alexandre Garcia, ex-assessor do general João Figueiredo, ex-entusiasta de Collor, o comentarista que restou à Globo:

_ O presidente começou bem e mal. Bem ao afirmar que precisa conversar com todos os governadores e partidos. Mal porque soou como ameaça ou no mínimo arrogância dizer que quem não quiser conversar vai ter que se explicar. Na verdade, o presidente vai precisar mesmo conversar. Não tem maioria no Senado nem na Câmara. Lula não conseguiu chegar aos 60 milhões de votos que seus assessores gabavam ter, mas teve uma grande vitória, depois do susto e da frustração no primeiro turno. Alckmin sai como uma das lideranças tucanas. Deixou de ser o desconhecido governador e mostrou serviço no primeiro turno, quase sozinho. Lula terá quatro anos de desafios, mas o maior talvez seja no primeiro ano, quando vai depender do humor da oposição o presidente ter que continuar respondendo pelos escândalos.

Escrito por Nelson de Sá às 09h42

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Crescimento! Desenvolvimento! (e mais cortes)

Bom dia. Na coluna "Toda Mídia" de hoje, com links, em notas como "Agarrado, beijado" e "Até 2010", o final da campanha na Globo, com Zileide Silva e Lula nas periferias e com Fausto Silva cobrando da oposição, durante o anúncio da vitória, "respeito ao resultado das urnas". Também a repercussão imediata no exterior (assinantes).

Nas primeiras páginas, a Folha destaca que Lula "promete crescimento e pede união". "O Globo" (assinantes), a declaração por Tarso Genro do "fim da era Palocci". "O Estado", a promessa de "reforma política".

Em destaques paralelos, a Folha traz os artigos de Clóvis Rossi, "Sai ortodoxia de Palocci, entra o desenvolvimento", e Janio de Freitas, "Presidente ganha pedaço de carta branca das urnas" (assinantes). Em "O Globo", fotografias de José Dirceu e Antônio Palocci. No "Estado", "17 dos 27 governadores se alinham com governo".

No "Valor", sob a manchete, a avaliação de que, "com mais de 58 milhões de votos, Lula saiu fortalecido para o segundo mandato". Também na primeira página, "Novo programa fiscal a caminho", cujo "foco será conter a expansão dos gastos públicos, inclusive nas áreas sociais" (o "Valor" voltou hoje a fechar os seus textos só para assinantes).

Abaixo, as primeiras páginas (clique nas imagens). Outros jornais do Brasil e do mundo, aqui. Clique em "Map View" e depois em "S. America" para encontrar os brasileiros, como a "Gazeta Mercantil".

 

   

Escrito por Nelson de Sá às 08h15

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores
Blog da coluna "Toda Mídia" (assinantes Folha e UOL), de segunda a sexta, pela manhã, escrito pelo jornalista Nelson de Sá.

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.