Toda Mídia
Toda Mídia
 

"Não sei do que você está falando"

O "Painel" diz que "a Câmara dos Deputados bloqueou o acesso de seus computadores ao YouTube, após a explosão de busca do vídeo da tentativa de entrevista do 'CQC' com Ciro Gomes". É só um sinal de que a febre dos vídeos que tomou a campanha americana está chegando. Abaixo, Danilo Gentili tenta, tenta e não consegue tirar Ciro do sério.

Escrito por Nelson de Sá às 11h54

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A China no topo do mundo

Dados por "Economist" e outros como o símbolo da transformação da China em superpotência, os Jogos Olímpicos de Pequim chegaram ontem ao "topo do mundo", na manchete do estatal "China Daily" para mais uma parada da tocha, agora no monte Qomolangma (o nosso Everest). O "momento histórico" foi transmitido ao vivo pela rede estatal CCTV. E é também a imagem no alto do "Hindu", da vizinha Índia.

Por outro lado, na capa do "FT" e com tradução na Folha, "Pequim está de olho em terras estrangeiras no esforço para garantir o suprimento de alimentos". Em particular, na América do Sul. A China "está perdendo sua capacidade de ser auto-suficiente".

 

Escrito por Nelson de Sá às 10h41

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

No "WSJ", Chávez tentou armar as Farc

Na manchete do "WSJ" e em tradução na primeira página do "Valor", "Chávez ajudou rebeldes da Colômbia, mostram arquivos de computador" de Raúl Reyes, líder das Farc morto em março. Em suma:
_ Os documentos indicam que a Venezuela fez ofertas concretas para ajudar a armar os rebeldes, possivelmente com lançadores de granadas e mísseis terra-ar. Os arquivos sugerem que ofereceu às Farc o uso de um dos seus portos para receber carregamentos de armas e que teria proposto a elaboração de um plano de segurança conjunto com as Farc... Segundo um arquivo, o ministro do Interior da Venezuela pediu em novembro que as Farc treinassem militares venezuelanos em táticas de guerrilha, incluindo "táticas operacionais, explosivos... acampamentos na selva, emboscadas, logística, mobilidade", para prepará-los para uma guerra de guerrilha no caso de os Estados Unidos invadirem a Venezuela.
A reportagem não faz qualquer referência a Brasil e as Farc.
 
 
No "NYT", irônico sobre a disputa democrata, "Com ou sem fim da corrida, Obama dá sua volta da vitória". Na manchete, o "WP" diz que Obama já "busca unificar o partido" democrata. Por outro lado, ambos os jornais noticiam na primeira página as ações do senador John McCain em favor de um "apoiador" do setor imobiliário.

Em contraste com as capas do "WP" de ontem e do "FT" de hoje, que festejam o aniversário de Israel, o "NYT" ressalta o conflito no Líbano e o escândalo que envolve o primeiro-ministro israelense
.

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 09h42

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Quem vazou para quem

Na Folha, a Polícia Federal e a sindicância interna na Casa Civil apontam "um aliado de José Dirceu" como responsável pelo vazamento dos gastos de FHC para "um assessor do senador Álvaro Dias". Já era manchete, ontem à noite, na Folha Online e depois no "Jornal Nacional". "Globo" e "Estado" também noticiam, com menor destaque, que o "indicado" ou "nomeado" pelo ex-ministro "teria" sido o autor. Dias relutantemente confirma, também seu assessor e em parte também o "aliado de Dirceu".

PS - Em seu blog, às 10h, Dirceu postou ser "inverossímil que um petista histórico, como a imprensa registra, envie para um senador da oposição dados que seriam usados contra seu partido". E ele "não é meu aliado" e sim "secretário nomeado por ex-ministro e mantido por sua sucessora".

Em sua manchete, o "Globo" segue com o caso Paulinho, agora com a informação sobre o repasse de recursos do BNDES a uma ONG ligada ao presidente da Força Sindical, destaque também no "Estado". Na manchete deste último e na coluna Mercado Aberto, mais detalhes sobre a política industrial, com a redução nos juros do BNDES às empresas.

No "Valor", manchete para "novidade que não se via há muito tempo: o crescimento que os bancos vinham exibindo no lucro caiu pela metade".

 

  

Escrito por Nelson de Sá às 08h20

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"HOT!"

Dado por "quase lá" na capa da nova "Economist" e declarado "vencedor" pela nova "Time", o presidenciável Barack Obama, assim como Hillary Clinton, tem priorizado outras revistas, relata o "New York Times", apontando a descoberta dos políticos como celebridades por "Us Weekly" (esq.), "People" e outras do mesmo gênero.

Leia aqui a íntegra da coluna de hoje

 

Escrito por Nelson de Sá às 08h02

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Enquanto isso...

O republicano John McCain foi pela 13ª vez ao "Daily Show" de Jon Stewart. Fez piada do confronto aberto entre os dois democratas, "eu odeio assistir, é terrível, meu coração está com eles". Mas tratou de questionar seu oponente mais provável, dizendo, sobre a declaração de um palestino de que o grupo Hamas "gosta de Obama", que foi "indicativa de como alguns dos nossos inimigos vêem a América... E eu posso garantir: eles não vão endossar a minha candidatura".

    

 Aqui, a segunda parte.

Escrito por Nelson de Sá às 11h56

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Brasil e o casal Clinton

De Kenneth Maxwell, hoje na Folha, na coluna "Picaretagem":

_ Quando os brasileiros se envolvem com tráfico de influência nos EUA, quase sempre o fazem na hora errada e com as pessoas erradas. Com disputas cada vez mais feias nas primárias, Bill Clinton tirou um dia de folga para embolsar US$ 200 mil por um discurso para brasileiros. O casal Clinton, sabemos agora, depois que se viu forçado a revelar suas declarações, faturou US$ 100 milhões com discursos como esse desde que deixou a Casa Branca... Enquanto Hillary atacava tratados comerciais, Bill faturou para dizer aos brasileiros que defende o livre comércio. O discurso e o gordo cachê foram cortesia do perene especialista em autopromoção Mario Garnero. Quando chegou terça, a senadora Clinton já havia encontrado algo de bom a dizer sobre o etanol brasileiro. Na quarta, emprestou US$ 6,4 milhões à sua campanha.

Dois meses atrás, o "New York Times" chamava atenção para o "link" entre os investimentos do ex-presidente Clinton em etanol brasileiro, na Brenco de Henri Philippe Reichstul e David Zylbersztajn, segundo o "Valor", e os "esforços" da senadora Clinton em projetos de incentivo.

Escrito por Nelson de Sá às 10h56

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

China e Japão, juntos

O "China Daily" dá manchete e foto com o presidente chinês e o premiê japonês, sorridentes ambos, eles que "concordam" em comunicado que China e Japão são "parceiros" e não "ameaças" um ao outro. Sobre a disputa pelas reservas de gás no mar da China, falaram em uma solução para "cedo" e montaram comissão conjunta. A versão em inglês do japonês "Asahi Shimbun" também dá manchete e foto para ambos e vislumbra "grande avanço" na questão das reservas.
 
O "Hindu" dá em manchete o teste bem-sucedido do míssil nuclear indiano Agni-III, o primeiro de médio alcance.

 

Escrito por Nelson de Sá às 10h15

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O fim da era Clinton?

O "NYT" destaca que o apoio a Hillary Clinton "desvanece", enquanto Barack Obama diz que já é possível distinguir o fim da disputa _e os republicanos escolhem seu adversário. O "WSJ" abre foto e a manchete "Democratas imaginam a vida sem Clinton", sobre o fim da era Clinton, que é destaque também do "NYT". O "WP" sublinha a resistência de Hillary, que perde aliados, e pergunta se sua vitória em Indiana não foi efeito da convocação do radialista conservador Rush Limbaugh, para que os republicanos votassem nela e adiassem a agonia democrata.

O "FT", a exemplo do "WSJ", noticia que Hillary corre atrás de "dinheiro novo" para poder manter sua campanha. Em sua manchete tradicional, o jornal diz que Peter Mandelson, o comissário europeu de comércio, ligado a Tony Blair, atacou o protecionismo dos dois candidatos democratas, que seria uma ameaça ao comércio global.

O "NYT", em longa reportagem do correspondente Alexei Barrionuevo, entrou hoje na cobertura do julgamento de Dorothy Stang com a absolvição do fazendeiro e o registro de que o caso é um "teste" para a Justiça do país. Saiu na página 12.

O destaque externo do jornal foi a expressiva foto "soviética" na  capa. Era a posse do novo presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, "mas quem dominou o dia foi Vladimir Putin".

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 09h34

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Dois fazendeiros, "um só episódio"

Sobre o fazendeiro libertado no Pará e o fazendeiro preso em Roraima, que constituem "um só episódio", segundo Janio de Freitas, o "Globo" deu na manchete que o ministro Celso de Mello e o secretário de Direitos Humanos Paulo Vannuchi reagiram à absolvição e o "Estado" deu foto imensa para os índios que ameaçam "nova invasão" da fazenda na reserva Raposa Serra do Sol.

E sobre o depoimento de Dilma Rousseff, a Folha deu em manchete que a ministra agora diz que os dados sobre FHC "não são sigilosos". Antes, dizia serem "secretos" e que seu vazamento era crime. "Globo" e "Estado" ressaltaram que ela foi "aplaudida" após reagir à pergunta de José Agripino Maia e, na avaliação do governo, "ganha força".

Na manchete do "Valor", entrevista com o ministro da Fazenda, em seu cabo-de-guerra com o Banco Central. "Em síntese", segundo o jornal, ele avalia que "o Brasil passa por um choque de oferta com o aumento nos preços internacionais das commodities" e defende que "o regime de metas de inflação prevê que a margem de tolerância é para ser usada exatamente em situações como esta".

A Folha detalha a política industrial a ser anunciada por Lula na próxima segunda, com o corte de impostos de R$ 7 bilhões para as empresas. E o "Estado" traz na manchete que o Tesouro lança títulos no mercado internacional depois de um ano, aproveitando o "grau de investimento".

 

  

Escrito por Nelson de Sá às 08h30

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O caso Dorothy

Final de tarde, ontem, e um juiz passou a ocupar televisão, rádio, portais com novo capítulo do "caso Isabella". (A Globo até perdeu o gol de Adriano, na transmissão do futebol, para entrar com cenas.)
 
Por sorte, o ministro Celso de Mello, do Supremo, havia se pronunciado antes, por portais como o Terra e rádios como a Jovem Pan, em relação ao caso Dorothy Stang, do fazendeiro absolvido pelo assassinato da freira americana. Disse, no seu estilo, que a decisão "pode transmitir não apenas ao país, mas à comunidade internacional, a sensação de que os direitos básicos não teriam sido respeitados". (Outro Mello correu a falar o mesmo, em seguida, nas Globos.)
 
No exterior, para a comunidade internacional, a libertação do fazendeiro foi noticiada por agências, a BBC, a Voz da América e, em tom maior de revolta, pela agência católica de notícias CNS, ligada à conferência americana dos bispos.
 
Aqui, a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h16

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mentir na tortura

Para quem não assistiu nos canais de notícias e portais, segue o vídeo sobre "mentir na tortura", com parte da desastrosa pergunta de José Agripino Maia e, em seguida, parte da resposta de Dilma RousseffEliane Cantanhêde e até Míriam Leitão acharam o fim. Também aqui e aqui.

Escrito por Nelson de Sá às 14h53

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Larry diz que ela continua

Larry Rohter, ele mesmo, o correspondente que chamou Lula de bêbado, agora cobre a eleição presidencial americana e afirma, na manchete do site do "New York Times" neste final de manhã, que Hillary Clinton "jura manter a luta".

Escrito por Nelson de Sá às 11h41

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Acabou?

Foi por volta da meia-noite, escreve Jim Rutemberg no "NYT", relatando que a cobertura chegou a um consenso, do blog democrata daily kos aos comentaristas da republicana Fox News, chegando ao site Politico e à manchete do Huffington Post, dizendo que agora é "Obama vs. McCain". E foi Tim Russert, âncora da NBC, quem proclamou no canal MSNBC, depois no YouTube e daí para a manchete do Drudge Report, "The Nominee", o escolhido, com foto de Barack Obama:

_ Nós agora sabemos quem será o candidato democrata, ninguém mais questiona. Às vezes, nas campanhas, os candidatos são os últimos a reconhecerem que chegou a hora.... Os Clintons têm uma grande decisão a tomar, pela manhã.

Escrito por Nelson de Sá às 10h53

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Os preços, os preços

No alto do "China Daily", a versão oficial de que as reservas de grãos estão elevadas e devem "manter os preços estáveis". No "Hindu", o primeiro-ministro promete novas medidas para "segurar os preços".

Em destaque no jornal chinês, os sinais simbólicos da aproximação de China e Japão, na visita do presidente a Tóquio, com direito a foto com criança. Mais embaixo, o lançamento da "campanha nacional" contra a epidemia que mata crianças no país. Já o jornal indiano saudou com foto de mulheres parlamentares de esquerda e direita a introdução do projeto que destina um terço das cadeiras legislativas às mulheres.

 

Escrito por Nelson de Sá às 10h19

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Obama deu a volta por cima

"NYT", "WSJ", "WP" e "FT", em avaliação unânime, dão nas manchetes que Barack Obama foi o vencedor do confronto de ontem com Hillary Clinton, nas primárias democratas da Carolina do Norte, que levou "decisivamente", e de Indiana, que ela levou, mas foi perto demais, "too close". O primeiro vê as alternativas de Hillary encolhendo e diz que ela "perdeu a chance" de lançar mais dúvidas sobre o adversário. O segundo diz que Obama mostrou em Indiana, onde "superou a expectativa", que é capaz de reagir aos ataques. O terceiro também sublinha que ele "mudou o enredo" após enfrentar um de seus piores momentos.

Com foto de Obama tomando cerveja, por fim, o "FT" diz que ele "retomou a iniciativa". De madrugada, o site do "WSJ" já dizia que Obama agora se volta para a "eleição geral", contra John McCain.

 
Enquanto o "NYT" ressalta problemas com a ditadura militar para a ajuda a Mianmar, o "WSJ" destaca o dano colateral do ciclone, sobre a já combalida oferta de alimentos na Ásia. Mianmar era grande produtor de arroz. O "WP" segue a escalada dos números pouco confiáveis e fala em "60.000 mortos ou desaparecidos".
 
Também no "WSJ", a resistência no Ocidente ao fundo soberano da Rússia, que começa com US$ 32 bilhões e se apresenta como "all business", só negócios, nada de política, mas não convence.
 
No "FT", segue a crise dos bancos europeus, agora com destaque para a "detenção" pelos EUA de um dos principais banqueiros do UBS.

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 09h17

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Os fazendeiros contra a freira, os índios...

Folha e "Globo" dão manchete para a absolvição do fazendeiro condenado antes a 30 anos pelo assassinato da freira Dorothy Stang, no Pará. Os dois dão também a mesma foto do ministro da Justiça, apertando a mão de um índio da reserva Raposa/Serra do Sol, no dia da prisão do fazendeiro que enviou os seguranças que atiraram e feriram dez índios em Roraima. O "Globo" defende o fazendeiro, dizendo que a prisão "eleva a tensão".
 
O "Estado", com manchete para a investigação de Paulinho por seus colegas deputados, dá atenção menor aos dois fazendeiros da Amazônia, mas publica a foto da prisão em Roraima.
 
 
Folha, "Estado" e "Globo" noticiam com destaque semelhante a queda do "subsecretário de Segurança de Serra" após o "caso da extorsão".
 
O "Valor" mantém na primeira página seus dois assuntos políticos do dia anterior, com os enunciados "PSDB age com cautela sobre o caso Alstom", o suposto suborno em uma obra do metrô há uma década, e "Donna abriu caminho para Lula" nos EUA, relativo à aproximação entre os governos de EUA e Brasil no primeiro mandato do petista.
 
Na frente externa, a Folha detalha o futuro fundo soberano, que pode chegar a US$ 20 bilhões, e o "Valor" dá manchete para a futura filial do BNDES em paraíso fiscal, que "apoiará a indústria brasileira".

 

  

Escrito por Nelson de Sá às 08h17

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Os achaques e os ataques

Por algum tempo, em meio ao novo capítulo do "caso Isabella", foi a manchete de Folha Online, UOL, do site de "O Estado de S. Paulo". E foi a submanchete do "Jornal da Record". "Secretário-adjunto de Segurança deixa o cargo após denúncias", no enunciado geral. Ou, então, "Achaque ao PCC derruba secretário-adjunto de José Serra". Foi depois da prisão do policial civil acusado de seqüestrar em 2005 o enteado de Marco Camacho ou Marcola, o chefe do PCC, como noticiou André Caramante dias atrás na Folha. Anteontem no "Estado", a notícia era que uma "escuta indica que os achaques provocaram os ataques do PCC" em 2006, já no ano seguinte.
 
Aqui, a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h02

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Para a Globo, "invasores" são os índios

A Globo, mesmo com a Record cada vez mais perto, já com metade da audiência, não se constrange quanto à edição do noticiário. Abaixo, seu relato editorializado para os índios baleados por ordem de um fazendeiro, também prefeito em Roraima, na reserva que é questionada por parcela do Exército, como destacou antes a mesma Globo. Para contraste, a reportagem da Record, agora pela manhã.

Escrito por Nelson de Sá às 11h46

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A Índia come mais

No "China Daily", "Hindu" e demais jornais da Ásia, as mortes em Mianmar. No jornal chinês, logo abaixo, a história da médica que chamou a atenção, sem temor de afetar a "imagem" do hospital em que trabalha, para o vírus que vem matando crianças no país.
 
No jornal indiano, a declaração do primeiro-ministro de que conter a inflação vai demorar. Ele se negou a entrar na polêmica nacionalista que vem ocupando o país, em reação a uma entrevista em que George W. Bush responsabilizou a emergente classe média indiana pela alta no preço dos alimentos, por estar comendo mais.

 

Escrito por Nelson de Sá às 10h51

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

No "WSJ", um escândalo no metrô de São Paulo

Na manchete tradicional do "WSJ", no alto, à direita, a investigação global da Alstom, uma das maiores empresas francesas, acusada de pagar propina entre 95 e 2003 para obter contratos na América do Sul e na Ásia, inclusive no metrô paulistano, único caso mencionado no extrato de primeira página. A longa reportagem é também a manchete tradicional do "Valor" de hoje. Em suma:
_ Semana passada, policiais suíços se reuniram com policiais brasileiros para discutir um total de US$ 6,8 milhões que eles suspeitam que foram pagos pela Alstom para ganhar um contrato de US$ 45 milhões para a expansão do metrô de São Paulo. Os suíços também investigam pagamentos suspeitos no projeto de uma hidrelétrica em Santa Catarina e em outros na Venezuela, Cingapura e Indonésia. Alguns, inclusive o metrô, foram financiados em parte pelo Banco Mundial... Um brasileiro teria negociado com representantes da Alstom. Ele se dizia intermediário de um político, cujo nome não foi divulgado, segundo documento da Alstrom a que o "WSJ" teve acesso. Ele teria oferecido apoio para o projeto em troca de comissão de 7,5%. Não está claro se o pagamento foi feito. A Alstom ganhou o contrato no fim dos anos 90.
 
No destaque central do "WSJ", as pressões crescentes sobre o novo presidente do Citigroup, há apenas quatro meses no cargo do gigante em crise. O jornal, bem como o "NYT" na manchete tradicional, tratam com cuidado os números de Mianmar, falando em "milhares" de mortos. O "WP", por outro lado, abre já com "15.000".
 
O "FT" dá em manchete e os três jornais americanos ressaltam as primárias de hoje na Carolina do Norte e em Indiana, com o discurso mais populista dos dois democratas, voltado aos trabalhadores e próximo do protecionismo. É a última chance para um "nocaute" de Hillary Clinton por Barack Obama, diz o "FT", enquanto o "NYT" prepara o espírito para o cenário provável, de continuação da disputa.

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 09h22

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Os jagunços contra as flechadas

"Estado", "Globo" e Folha dão com atenção variada os nove, dez ou um grupo de índios baleados por "seguranças" de um fazendeiro cujas terras ocupam parte da reserva Raposa Serra do Sol.
 
Em outros destaques, a Folha registra o anúncio de um fundo soberano pelo ministro Guido Mantega, o "Estado" dá o salto no custo da cesta básica e o "Globo" diz que mais dez prefeituras estariam envolvidas no que chama de "escândalo no BNDES".
 
 
O "Valor" dá manchete a um negócio, a venda do Sendas pelo Pão de Açúcar, mas se volta para a política nos outros dois destaques _a exemplo do que acontece em jornais econômicos como "Wall Street Journal" e "Financial Times".
 
No primeiro caso, traduz reportagem do "WSJ" e dá no enunciado que "Suíça apura propina no Metrô de São Paulo". A francesa Alstom teria pago US$ 6,8 milhões para "ganhar contrato de US$ 45 milhões". No segundo, em longa reportagem que é o texto mais lido no site agora de manhã, "Lula ofereceu ajuda aos EUA para conter Chávez". A fonte é José Dirceu, então ministro, que teria levado a proposta em 2005 para a secretária Condoleezza Rice.

 

  

Escrito por Nelson de Sá às 08h28

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A ascensão do resto

A Bovespa passou dos 70 mil pontos, ontem nas manchetes de Folha Online, UOL. Jornais como o "Independent" anunciam "tempo de Carnaval" para a economia do Brasil. "Ninguém segura este país", soltou Lula ontem, segundo o site de "O Estado de S. Paulo".

Já nos EUA, a nova "Newsweek" traz a Estátua da Liberdade de costas e anuncia "O mundo pós-americano" ou, no título interno do longo ensaio de capa, "A ascensão do resto" (The Rise of the Rest). Por resto, entenda-se China, Índia e Brasil, "os verdadeiros gigantes", que enfim acordaram. Império em declínio, o papel dos EUA no século seria abrir caminho para os três e alguns outros países emergentes. Seria a sua "missão histórica" _a globalização.
 
 
 
Leia na íntegra a coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h10

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Hiroshima, mais de meio século depois

Enquanto o "Homem de Ferro" lidera a bilheteria no fim de semana de estréia, um raro "blockbuster" que questiona a indústria de armas dos EUA e até a bomba lançada contra o Japão, surgem fotos inéditas de Hiroshima no blog Danger Room, da revista "Wired", só agora liberadas. Repercute por HuffPost, "El País" etc. Todas as dez, aqui.

Escrito por Nelson de Sá às 12h19

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sami al-Haj, seis anos depois

Um jornalista foi mantido preso pelos Estados Unidos por seis anos, em Guantanamo, e terminou libertado quatro dias atrás, sem acusação, para notas de agências nos sites ocidentais, pouco mais.

Sami al-Haj, da Al Jazeera, foi saudado por colegas como o americano Joel Simon, do Comitê para a Proteção de Jornalistas, e o britânico Alan Johnston, da BBC. Mas a única cobertura de destaque foi na própria emissora do Qatar. Abaixo, al-Haj no canal da Al Jazeera no YouTube.

Escrito por Nelson de Sá às 11h18

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Na China dos Jogos, o vírus

O estatal "China Daily" deu na manchete a visita do presidente chinês ao Japão, com a expectativa de acordo para a exploração de reservas no mar entre os dois países. Logo abaixo, com má vontade, registrou a visita de representantes do Dalai Lama para tratar do Tibete.
 
No canto superior, à direita, o que importa: o "alerta nacional" para o vírus que já matou 22 crianças em uma cidade e dá sinais de que avança para outras partes da China.
 
No "Hindu", em destaque, a resistência da Esquerda ao acordo nuclear Índia/EUA e a resistência da China nas negociações sobre o Tibete com o Dalai Lama. Com foto no alto, antes de chegar à cobertura ocidental, a devastação do ciclone em Mianmar.

 

Escrito por Nelson de Sá às 10h47

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Microsoft perdeu, Yahoo perdeu, Google venceu

O "NYT" dá no alto da capa o fracasso das negociações entre a Microsoft e o Yahoo, com a "análise" de que é uma derrota para a estratégia de sempre da primeira, sem alternativa agora para enfrentar o Google na internet. Já o "WSJ", cujo novo proprietário havia se alinhado à Microsoft na tentativa de compra, diz que a gigante "repensa suas opções" de internet e responsabiliza "o fator Google" _a concorrente que se ofereceu em "parceria" ao Yahoo, contra a oferta da Microsoft.

Em meio a notícias de queda nas ações do Yahoo em Wall Street, o site do "WSJ" destaca agora cedo que a Microsoft pode tentar de novo, mais à frente. A "pressão" dos acionistas sobre o Yahoo já era a manchete do "FT" de papel.

 
Em sua manchete, o "NYT" desvenda o "sistema de silêncio" em torno das mortes de imigrantes sob custódia do governo americano.
 
Na cobertura da campanha, o "NYT" questiona o tom de "pugilista" da campanha de Hillary Clinton e diz que Barack Obama "sobreviveu ao teste" de seu ex-pastor, em nova pesquisa do jornal com a CBS. O "WSJ" avança contra Obama, insinuando que ele negociou menor controle sobre os caminhoneiros em troca do apoio, anunciado há pouco, do sindicato dos controversos "teamsters". Já o "WP" contrapõe as idéias sobre impostos de ambos, Hillary com a suspensão da taxa sobre gasolina, Obama com mais abatimentos.
 
 
 
 

Escrito por Nelson de Sá às 09h52

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Muito além de Petrobras e Vale

O "Valor", que sublinha seus oito anos de existência, avança nos efeitos do "grau de investimento" e aposta na valorização das ações de segunda linha, ou seja, "além do ramerrame de Petrobras e Vale".
 
Entre fotos da final em São Paulo e, embaixo, da tragédia no Amazonas, Folha e "Estado" abrem a semana com manchetes de alerta na economia. A primeira, com o atraso na construção de usinas de energia, considerado "grave", em parte dos casos. O segundo, com a nova prioridade dos bancos centrais, reunidos na Suíça: não mais a recessão de EUA e Europa, mas a inflação global, que passa pelos alimentos, mas foca as commodities, a começar do petróleo.
 
Com foto da final no Rio e nada da tragédia, o "Globo" destaca que a Agência de Vigilância Sanitária decidiu "rastrear" com códigos a venda de medicamentos com códigos e, com isso, "preços podem subir".

 

  

Escrito por Nelson de Sá às 08h26

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Finalmente, mas...

Desta vez, a "Economist" de Michael Reid evitou avançar sobre o fechamento para tratar do "grau de investimento". Registrou no blog Free Exchange um dia depois, postando que "finalmente" o Brasil obteve a nota "tão ansiada". Diz que a previsão é que "continue crescendo acima de 4% ao ano". Depois, a consultoria ligada à revista, a EIU (Economist Intelligence Unit), divulgou a análise "Atingindo a nota", ressaltando que "persistem fraquezas" e informando que mantém sua própria nota do país fora do "grau de investimento".

A "Economist" priorizou a Argentina, em contraste com "o vizinho" Brasil e sua "inundação de investimento". Antes, a argentina "Apertura" já se perguntava "Por que o Brasil ganha?" e previa uma "segunda onda" de invasão.

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

 

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 08h03

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores
Blog da coluna "Toda Mídia" (assinantes Folha e UOL), de segunda a sexta, pela manhã, escrito pelo jornalista Nelson de Sá.

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.