Toda Mídia
Toda Mídia
 

"A situação vai ficar fora de controle"

Para limpar a cabeça para o fim de semana, um tira-gosto do que a Record vai usar contra a Globo nos próximos meses, no horário hobre, em meio à campanha eleitoral. Está nos mais vistos do YouTube, hoje.

A coluna e o blog voltam na segunda-feira.

Escrito por Nelson de Sá às 11h58

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Enfim, o colapso

Se no Brasil não se encontra home page que mencione o caso Alstom, agora pela manhã, nem mesmo a do Estadão que publicou a notícia, na China as coisas começam a melhorar na cobertura.

Depois de muito resistir à notícia, o estatal "China Daily" dá manchete hoje para o inquérito sobre as escolas que desabaram com o terremoto, matando crianças, no que revoltou os pais chineses e levou a denúncias sobre "construções mal-feitas". No enunciado, "Colapso das escolas será investigado". Logo abaixo, "Os responsáveis vão enfrentar toda a força da lei", o que por lá pode significar até a morte.

 

Escrito por Nelson de Sá às 11h33

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Caça às bruxas do petróleo

No "WSJ", os EUA abrem investigação sobre a suposta manipulação de preços no mercado interno de petróleo.

Um dia antes, a "Economist" alertou no editorial de capa que estava para começar a caça às bruxas do petróleo _o que serve apenas, diz a revista, para esconder o fato de que a alta veio para ficar e precisa ser enfrentada pelos consumidores, no caso, também eleitores.

Na campanha, o "WP" entrevista o ex-porta-voz que agora, lançando suas memórias da Casa Branca, ataca George W. Bush por levar os EUA à "guerra desnecessária" com o Iraque, o que conseguiu através de "campanha de propaganda" em que faltou com a verdade.

O ex-porta-voz também falou à MSNBC, em vídeo aqui.

No contra-ataque, também na capa no "WP", a CIA anuncia "grandes avanços" contra a Al Qaeda no Iraque e o republicano John McCain critica Barack Obama por defender a retirada do Iraque.

E o "FT" abre foto da secretária de Estado na defensiva, respondendo que o ex-porta-voz está errado e a invasão do Iraque foi a coisa certa.

No "NYT", com foto, destaque para os sete jovens palestinos que perderam as bolsas que haviam obtido da Fundação Fulbright, para estudar nos EUA, porque Israel vetou sua saída da Faixa de Gaza. O corte das bolsas foi decisão do Departamento de Estado.

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 10h12

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Propina a tucanos"

Na capa, saiu com o título "Identificado esquema que pagou propinas da Alstom" e foram evitados os nomes e partidos dos envolvidos. São as informações que a Suíça enviou ao Ministério da Justiça, hoje no "Estado .

O "furo" saiu na página 9, em reportagem de Sonia Filgueiras e Eduardo Reina intitulada "Para Suíça, Alstom usou offshores em propina a tucanos" e, logo abaixo, "Pagamentos seriam feitos com base em consultorias de fachada" e "Valor das 'comissões' chega a R$ 13,5 milhões".

Mais abaixo, no chamado outro lado, "Ex-secretários negam negociação de contratos". Mais especificamente, "David Zylberstajn afirma desconhecer qualquer esquema e nega ter envolvimento", "Andrea Matarazzo disse que não tem qualquer informação sobre esse assunto" e "Mauro Arce também disse desconhecer o caso".

Escrito por Nelson de Sá às 09h15

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mais alguns bilhões

Com a queda na Bovespa, a cobertura nos demais não viu maior significado no segundo "grau de investimento", mas o "Valor" deu números ao que o "Financial Times" chama de "inundação" de dinheiro.

Em suma, "os títulos da dívida externa do governo brasileiro terão demanda extra de US$ 13 bilhões, estima a Lehman Brothers". O número é "significativo", pois hoje "o estoque nas mãos de investidores é de US$ 46,5 bilhões". O que vem aí, a partir agora, são "investidores institucionais: fundos, seguradoras e bancos".

Folha e "Estado" se concentram na aprovação das pesquisas com células-tronco pelo Supremo. Na primeira, o colunista Marcelo Leite afirma que a decisão vem com atraso. "Dez anos atrás parecia promissor, mas em raras situações, hoje, e com perspectivas cada vez mais estreitas." No segundo, a geneticista Mayana Zatz afirma que "todos vamos nos beneficiar desta vitória", mas não promete "cura imediata".

Já o "Valor" destaca a outra decisão aguardada do Supremo, sobre a reserva Raposa/Serra do Sol. O enviado relata ameaças de violência de ambos os lados, índios e arrozeiros, qualquer que seja o resultado.

No Rio, o "Globo" carrega nas tintas da "quadrilha" do velho adversário Garotinho. A expressão "quadrilha" se repete em título, legenda, texto, quadro. Um dos enunciados diz, simplesmente, "Chicago é aqui".

 

  

Escrito por Nelson de Sá às 08h31

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Inundação de dinheiro?

"Mais uma", anunciava ontem a manchete de Folha Online e outros sites, depois rádios etc. Era a agência Fitch com o novo "grau de investimento". A Bolsa até deu "repique logo após o anúncio, mas os investidores seguiram na ponta vendedora", estranhou o Valor Online.

No exterior, a Reuters noticiou desde Nova York, sublinhando que a segunda nota era obrigatória para atrair os "investidores mais conservadores". E o "Financial Times" avisou, iniciando seu texto, que ela "abre o caminho para a potencial inundação do país pelos grandes investidores institucionais". A Bolsa caiu, Ok, "mas não se deve perder de vista que o mercado global está em crise".

E o regulador do setor bancário na China falou à Bloomberg que também os fundos de investimento chineses estão à procura de novos mercados. Agora "devem buscar melhores retornos diversificando para ações de recursos naturais", afirmou Li Fuan, o regulador, adiantando Brasil e Austrália como "as melhores apostas".
 
Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h17

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Murdoch & Obama

Rupert Murdoch deu conferência/entrevista ontem no D: All Things Digital, que é do "Wall Street Journal", ou seja, é do próprio Rupert Murdoch. Que é dono também da rede Fox, do canal Fox News, do MySpace, do "New York Post" e de muito mais nos EUA. Isso, sem falar do que tem na Grã-Bretanha, na China, na Austrália onde nasceu.

Sua opinião mais esperada era sobre Barack Obama. O "NY Post" apoiou Obama em editorial, nas primárias democratas, e ele respondeu que, "sim", foi por ordem sua. Diz que não está pronto para votar em Obama, que descreve como um "rock star", mas:

_ Estou ansioso para me encontrar com ele. Eu quero ser convencido de que Obama é de verdade [the real thing], de que realmente vai conseguir. Estou aberto a isso.

De todo modo, ele "pode não vencer na Flórida, porque os judeus suspeitam dele e também os hispânicos... e os brancos não vão falar disso, mas a raça vai contar".

Escrito por Nelson de Sá às 12h03

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Warren Buffett e os socialistas modernos

A enviada da CNBC, o canal financeiro da rede NBC, relata que Armínio Fraga, que "trabalhou para George Soros" e foi presidente do Banco Central, é "muito modesto" e não aceita a designação de Warren Buffett do Brasil. Buffett é o maior investidor dos EUA e, nas últimas listas das revistas, o homem mais rico do mundo.

Sobre o "boom" do país, ele comenta que "o Brasil, de todos os Brics, é o mais ocidental" e "o interessante é que finalmente nos demos conta de que ser parte do mundo é uma coisa boa, agora vemos que nos relacionarmos com outros países em comércio e investimentos traz prosperidade". Em suma, no diálogo:

_ Nós estamos virando um país mais capitalista.

_ Como isso pode acontecer, dado o [governo] socialista?

_ Eles são socialistas modernos, não estão exortando revolução. E eu acho que muitas dessas idéias estavam aí e outras têm sido trabalhadas e de repente... nós vemos, por exemplo, negociantes locais erguendo empresas com boa governança e atraindo capital. Isso cria um círculo virtuoso. Você vê seu vizinho levantando capital, criando empregos, fazendo dinheiro e você também quer.

Escrito por Nelson de Sá às 11h03

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

China + Taiwan

Os jornais ocidentais seguem atentos com a China. Na foto do "NYT", chineses jogam pingue-pongue entre as barracas, enquanto o lago ameaça. Na do "FT", Sharon Stone com expressão preocupada, mais a notícia de que o grupo Christian Dior, que tem Stone como modelo, faz o que pode para se desculpar com os chineses pela declaração da atriz de que o terremoto foi retribuição, "karma", pela política no Tibete. Na manchete do "WP", o crescimento dos "grupos de cidadãos" organizados, o que Pequim vem permitindo e até estimulando, após o terremoto.

De sua parte, o "China Daily" deixou o terremoto para trás, de vez, e dá manchete e editorial para a "reconciliação histórica" entre o secretário-geral do Partido Comunista, Hu Jintao, e o presidente do Kuonmintang, Wu Poh-hsiung, partido que venceu as eleições em Taiwan. Jintao deixou aberta a possibilidade de aceitar a entrada de Taiwan na Organização Mundial do Comércio.

O jornal diz que o terremoto não deve atrapalhar a economia do país.

Escrito por Nelson de Sá às 10h26

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bancos desesperados?

Em manchete que coloca sob suspeita 16 dos maiores bancos ocidentais, inclusive Citigroup, WestLB, JP Morgan e UBS, o "WSJ" analisa dados entregues por eles para o cálculo da Libor, uma "taxa chave", e aponta "falhas". Elas levaram a Libor, "que supostamente reflete os juros que os bancos cobram uns dos outros, a reagir como se o sistema estivesse melhor do que estava, em momentos críticos da crise financeira". Assim não "pareceriam desesperados por dinheiro".

Os 16 bancos se negaram a falar com o "WSJ".

No destaque do "Financial Times", as últimas indicações de inflação nos EUA e a crescente aposta na alta dos juros do Fed.
 
 
Na manchete, o "NYT" celebra que o governador de Nova York, Estado que não realiza casamento de pessoas do mesmo sexo, determinou que sejam reconhecidos os casamentos do gênero realizados em outros Estados, como Massachussetts, e países, como Canadá.

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 09h26

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Go home"

Na Folha e agora pela manhã na Folha Online, a manchete é a informação de Fernanda Odilla de que o governo prepara medida jurídica para dificultar a compra de terras por empresas de capital externo. O objetivo é controlar a entrada de estrangeiros na Amazônia, "questão de soberania nacional", segundo o Incra.

Não por coincidência, dias atrás no "Globo", Ilimar Franco informou que a Abin registrou que o milionário Johan Eliasch, consultor do primeiro-ministro britânico e sob investigação por aquisição de terras no Mato Grosso e no Amazonas, defendendo junto a outros estrageiros a compra de toda a Amazônia por US$ 50 bi.

 
Depois de um dia inteiro de cobertura nos canais de notícias, rádios e portais, ficou para hoje a decisão sobre a pesquisa com células-tronco embrionárias, como registram os jornais.
 
O "Estado", otimista, destaca que o Supremo deve liberar, com os votos que faltaram. O "Globo" questiona na capa o "voto dúbio" de alguns ministros, ontem. E na foto entra com outra "agenda", expondo um "evangélico" contrário às pesquisas que discute com deficientes físicos, "dizendo que eles deveriam 'se curar pela fé'".
 
 
Enquanto o ex-secretário-executivo do Meio Ambiente se estende na crítica ao governo que "só quer liberar obras", hoje no "Estado", o novo ministro surge na manchete do "Valor" preparando normas "mais rigorosas", segundo o jornal, para as usinas termelétricas.
 
 

 

Escrito por Nelson de Sá às 08h29

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Os valentões brasileiros

Na legenda do "WSJ", apenas "CEO Carlos Brito"

Só ontem, foram três textos no "Wall Street Journal" de papel e mais três no site, contra a compra do "ícone americano" Anheuser-Busch, a cervejaria que produz a Budweiser, pela InBev "administrada por brasileiros". O principal deles foi a reportagem enviada de Diadema, no centro de distribuição, intitulada "Na InBev, a cultura Gung-Ho comanda". Gung-Ho é palavra derivada do mandarim e significa "exageradamente entusiástico".

O texto, traduzido pelo "Valor", perfila os brasileiros que dirigem a InBev como "técnicos de futebol", diz que a "atmosfera de trabalho lembra um vestiário", que os funcionários são estimulados por música estridente e "um grande surdo". Que a fusão da AmBev com a belga Interbrew até começou com belga na direção da InBev, mas "os brasileiros logo viraram a mesa", no que "analistas" descrevem agora como "aquisição reversa". Que eles "pisam calos" em toda parte e que lá, na Bélgica ainda sede da InBev, são vistos como "um bando de valentões brasileiros".

Por fim, noutro texto, o "WSJ" diz que os "políticos americanos" devem resistir à invasão brasileira no ano eleitoral.

Agora saem reportagens com enunciados assim todos os dias, daí ter escapado, mas registre-se que o "Observer", um dos jornais britânicos de maior prestígio, publicou no domingo "Brasil: gigante de uma nova ordem econômica mundial". O texto principal do "WSJ" sobre a InBev, citado acima, foi inspirado nele, mas com sinal trocado. O "Observer" pega a InBev em Diadema como símbolo do "gigante" que já começa se aproximar da China, nos Brics.

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h23

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A cultura da fraude

O Politico.com, um dos sites que pautam Washington, adiantou ontem à noite passagens das memórias do ex-porta-voz de George W. Bush. Em destaque, a avaliação de Scott McClellan de que o presidente não foi "aberto e franco sobre o Iraque" e governou em "campanha permanente".

Diz ele que Bush confiou em "propaganda" para vender a guerra e que os jornalistas na Casa Branca foram acríticos na escalada. Em suma, o presidente e seus assessores "manipularam fontes de opinião pública", que por sua vez se deixaram manipular.

O título do livro, segundo o "Washington Post" e o site, mas não na capa que se encontra on-line, é "O que aconteceu: Dentro da Casa Branca de Bush e da cultura da fraude de Washington" (What Happened: Inside the Bush White House and Washington's Culture of Deception). Chega às bancas dos EUA na semana que vem, pela editora Public Affairs, por US$ 27.95. Está na Amazon por US$ 15,37.

Escrito por Nelson de Sá às 11h38

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

China + Coréia do Sul

O "NYT" de hoje, com foto de um líder comunista regional ajoelhado e sendo questionado por mães, deu que cresce a revolta por causa das escolas que desabaram, matando crianças.

Já no estatal "China Daily" o terremoto deixou o alto da primeira página, trocado pela "parceria estratégica" com a Coréia do Sul. É a terceira aliança com ex-adversários fechada pela China em meses, antes com Taiwan e Japão.

Mas a tragédia prossegue na capa, com o lago formado pelo terremoto e que levou à evacuação em massa. É o destaque também do "South China Morning Post", que apesar de privado também não deu a revolta com as escolas que desabaram.

Escrito por Nelson de Sá às 11h28

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Idéia fixa

Na mesma semana em que Hillary Clinton argumentou que continua na campanha porque Robert Kennedy só foi assassinado em junho de 1968 _sendo substituído pelo segundo colocado nas primárias democratas_ vem a comentarista da Fox News e defende, como piada, o assassinato de Barack Obama.

 Aqui, as posteriores desculpas.

Escrito por Nelson de Sá às 10h15

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A nova doutrina e os danos colaterais

A semana marca a volta da crise de crédito aos jornais dos EUA.

O "NYT" dá no alto que a "doutrina Bernanke", como são chamadas as medidas adotadas no auge da crise, calou alguns críticos do presidente do Fed, mas estimulou outros, que o responsabilizam pela inflação e pela derrocada do dólar, devido ao corte nos juros.

O "FT" explica que os bancos de investimento se dividiram quanto à linha de crédito aberta para eles pelo Fed. O Goldman Sachs pede a suspensão, o Lehman Brothers e o Morgan Stanley querem que continue.

O "WSJ" destaca a segunda parte de sua série sobre o auge da crise, com a "corrida fatal" no banco Bear Sterns, corrida de que teria participado, supostamente, o mesmo Goldman Sachs.

À distância, a China critica no "FT" os bancos centrais de EUA e Europa, pela "falta de supervisão" sobre o mercado, o que teria levado à crise.

Já o "WP" joga luz sobre as vítimas menores da crise, ressaltando que mais e mais cidadãos americanos comuns vêm apelando para a falência para enfrentar as dívidas acumuladas nas operações de crédito.

"NYT" e "WP" dedicam suas manchetes tradicionais (no alto, à direita) a uma decisão da Suprema Corte que proibiu a retaliação contra funcionários que denunciem discriminação no ambiente de trabalho. Seria uma indicação de retomada na ação antidiscriminatória da Justiça nos EUA, após um período mais "conservador".

 

Escrito por Nelson de Sá às 09h31

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Jornalismo crítico

Sem concorrentes por aqui no jornalismo de humor, ao menos por enquanto, o "CQC" levanta a audiência da Band com a comédia "stand up" de Danilo Gentili e Rafinha Bastos. Já tem vídeo no ar, da nova edição, com Rafinha em Mairiporã, onde o prefeito é tucano e o leite da merenda escolar é caro demais. Abaixo, a segunda parte. Aqui, a primeira.

Escrito por Nelson de Sá às 08h56

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bilhões em imposto, bilhões em alívio

A exemplo do "Jornal Nacional" de ontem, que abriu anunciando a "ameaça" que paira sobre "todos os brasileiros", hoje o "Globo" dá manchete para a campanha contra a nova CPMF, agora CSS, a ser votada nesta quarta pela Câmara dos Deputados.
 
Em contraste, a "Folha" destaca o "alívio recorde" aos fazendeiros, com R$ 75 bilhões em renegociação de dívidas, e o "Valor" celebra os dividendos que "encheram os bolsos dos investidores" em ações com R$ 12,7 bilhões, só neste ano.
 
 
Em imagens de "Folha" e "Estado", a mais recente "photo-op" de Carlos Minc, que beijou a testa de Lula e Marina Silva.

 

  

Escrito por Nelson de Sá às 08h16

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Lula, o animador

Em destaque ontem por Reuters Brasil, sites de jornais, portais, telejornais, "Lula compara Carlos Minc a Amarildo por substituir a 'Pelé' Marina Silva". Dia após dia, os discursos de Lula vão tomando mais da cobertura, ontem ao vivo nos canais e rádios de notícias e até em "live-blogging", depois em vídeos on-line. Com o show minguante das CPIs, é ele quem anima o auditório, cada vez mais.

Um dia antes, o hit lulista foi "Amazônia tem dono", como se assiste no post abaixo. O londrino "Daily Telegraph" viu como uma crítica ao milionário Johan Eliasch, que defendeu a compra de toda a Amazônia por US$ 50 bilhões, e questionou Lula em editorial. Ontem também, à agência France Presse, "uma fonte ligada a Eliasch" disse que a eventual investigação do milionário no Brasil visa apenas a "incitar o nacionalismo" com motivos políticos.

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h06

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

De quem é a Amazônia

Lula proclamou ontem na escalada dos telejornais que "a Amazônia tem dono", no que foi entendido por aqui como resposta ao "New York Times" pela reportagem "De quem é a floresta tropical, afinal?" ou então ao "Independent" pelo editorial dizendo que "esta parte do Brasil é importante demais para ser deixada aos brasileiros".

Mas o também londrino "Telegraph" entendeu como resposta ao empresário Johan Eliasch, que defende comprar partes da Amazônia, e já saiu com editorial em sua defesa, hoje. "O presidente Lula devia tomar vantagem dos empresários internacionais e estimular, não desencorajar, seu investimento ambiental."

Escrito por Nelson de Sá às 11h24

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Em campanha

Dia sim, dia também, o "SPTV" cobre Gilberto Kassab em campanha pela reeleição. Ainda está por sair alguma coisa sobre Alstom e seus contratos, mas ontem foi dia de anunciar dinheiro virtual para uma linha virtual, enquanto a cidade se aproxima do congestionamento final.

Escrito por Nelson de Sá às 10h50

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

De volta aos Jogos?

O terremoto segue na manchete, bem como na foto do helicóptero em operação para conter o lago formado por ele, mas a tocha olímpica voltou ao alto da primeira página do "China Daily". No Ocidente, jornais como o "FT" já dão mais atenção ao ciclone de Mianmar.

Como em todo o mundo, os jornais chineses e indianos destacaram fotos de Marte enviadas pela sonda americana.

 

Escrito por Nelson de Sá às 10h00

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A crise de crédito continua

O setor automobilístico dos EUA começou a sentir os efeitos da crise de crédito imobiliário, diz o "NYT" no alto da capa. Agora são os empréstimos para a compra de carros que andam escassos, o que "pode representar impacto profundo para a economia". No "FT", o ex-presidente do banco central Alan Greenspan afirma que a recessão é provável, ainda, nos EUA.
 
Já o "WSJ" conta em detalhe, num texto com narrativa hollywoodiana, o auge da crise, "os últimos dias do Bear Stearns", na vida de seus principais executivos. É o primeiro texto da série de três.

A primeira página do "NYT", em vaga referência ao Memorial Day de ontem, traz foto de jovens soldados no Afeganistão, olhos no ar, depois de expulsarem o Talebã de uma cidade. O "WP" traz foto de jovem abraçada ao túmulo de seu namorado, sargento do exército, no cemitério de Arlington.

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 09h21

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Rombo, que rombo?

Nas manchetes de "Folha", "Globo" e "Estado", o déficit ou rombo nas contas externas até abril, "o maior da história" ou "o pior desde 1947". Mas para o Banco Central o ritmo das remessas deve cair no ano e, a partir de maio, o saldo comercial deve crescer. E os investimentos no país devem financiar o déficit até lá.

O "Valor", com avaliação diferente da notícia, nem menciona o rombo na primeira página. Sua manchete é que ofertas de ações (IPOs) estimadas em R$ 8 bilhões devem chegar à bolsa até julho, em retomada no setor. Para começar, o Grupo Rede, do setor elétrico, e o Infinity Bio-Energy, de etanol, cada um com operações próximas a US$ 500 milhões.

E a pressão contra a venda da Nossa Caixa ao Banco do Brasil continua, agora com investigação sobre uso de informações privilegiadas, no "Estado". Mas Cátia Seabra informa na "Folha" que, em novo sinal de que não vai ceder o leilão cobrado pelos bancos privados, o governo paulista abre os dados da Nossa Caixa ao BB a partir de hoje.

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 08h38

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Da euforia ao pânico

Em longa entrevista à Agência Brasil no fim de semana, o presidente do Banco Central questionou os "analistas", antes "eufóricos" com o crescimento e agora em "pânico" com a alta dos preços, e avisou que vai mirar o centro da meta de inflação, na decisão sobre a elevação dos juros. Henrique Meirelles, à esq. na foto de Marcelo Casal para a agência estatal, ganhou os louvores do blog de Míriam Leitão e os ataques do blog de José Dirceu.
 
Na mesma linha de discussão, no exterior, a "Economist" escreveu sobre a inflação dos Brics aconselhando que eles evitem o erro dos países ricos nos anos 70, de no início manter uma política monetária "frouxa", de juros baixos. Mas foi precisamente o que Ma Hongman, âncora do canal de notícias de Xangai, defendeu no estatal "China Daily". Argumenta que elevar juros para combater inflação que vem de fora, do petróleo, vem se mostrando ineficaz na China. E que vale mais investir em aumentar produção e oferta.
 
Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h06

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Cuba não tem liberdade, diz Obama

Barack Obama, no discurso sobre a América Latina, abordou Brasil, Colômbia, Venezuela, mas o foco foi Cuba, até pela platéia. Abaixo, uma passagem, em vídeo do canal da Associated Press no YouTube.

Escrito por Nelson de Sá às 11h53

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Obama não é diferente, diz Fidel

Com chamada de capa no "Granma", mas sintomaticamente publicado na página 2, o colunista cubano Fidel Castro, agora "companheiro", não mais comandante, questiona pela primeira vez o candidato democrata Barack Obama. O presidenciável vem de detalhar o que pretende para a ilha e toda a América Latina, no que Fidel descreve como uma "fórmula de fome" para os cubanos.

Em suma, escreve ele, "o discurso de Obama pode ser traduzido como uma fórmula de fome para a nação; as remessas, como esmolas; e as visitas a Cuba, como propaganda para o consumismo e o modo de vida insustentável que o apóia". O irmão Raúl, no poder, não opinou.

Escrito por Nelson de Sá às 11h24

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A inflação emergente

O primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, posa com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em dia de noticiar um tremor posterior ao terremoto no país, hoje no "China Daily". Em meio a novos relatos heróicos, nada do escândalo de construção das escolas que desabaram.

Sobre a inflação, que a nova "Economist" avisa ter como foco os Brics, o jornal estatal afirma que "as velhas ferramentas não são o bastante para conter". Por velhas ferramentas, entenda-se a alta dos juros, o que o banco central chinês já fez, sem resultado. A saída seria elevar a oferta de carne, ovos, produtos agrícolas.
 
O "Hindu", que traz em manchete a ascensão da oposição conservadora nas eleições regionais na Índia, destaca também a inflação, com as altas dos preços de gasolina e diesel.

 

Escrito por Nelson de Sá às 10h33

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Entre o mundo e a América

O "NYT" está em Mianmar e, "semanas depois" do ciclone, relata com foto no alto da primeira página de hoje que até fazendeiros esperam por comida, no país. No dia anterior, edição de domingo, o destaque do jornal foi para a China, também semanas depois do terremoto, com pais chineses se perguntando por que em muitos lugares só as escolas ruíram, matando crianças. "O assunto está banido da mídia" estatal chinesa.

E o "FT" de hoje, na edição européia, diz que o Dalai Lama está "perdendo a fé nas negociações" com a China, sobre o Tibete.

"WP", como "LAT" e outros americanos, deu mais atenção ao Memorial Day, que é celebrado hoje com feriado e recorda _desde a guerra civil_ os soldados americanos mortos em suas guerras pelo mundo.

"WP" e "LAT" dão em manchete, com direito a foto da bandeira, a chegada em Marte de mais um equipamento dos EUA, agora o Phoenix.

Na campanha, o "NYT" relata que, ao discursar dias atrás no Senado, Hillary Clinton enfrentou cadeiras vazias de colegas de seu próprio partido. E em artigo domingo no "New York Daily News", parte da operação de "controle de dano", a senadora por Nova York voltou a se explicar sobre a desastrada declaração relativa a Bob Kennedy.

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 09h34

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Passaram do ponto

De Clóvis Rossi, em "Guerrilheiros não morrem de velhice":

_ Manuel Marulanda, o "Tirofijo", envelheceu como guerrilheiro, a ponto de ser tratado como "o mais velho guerrilheiro do mundo". É esse o seu fracasso _e o fracasso das Farc. Ambos passaram do ponto de morrer perdendo ou de ganhar transformando.

Escrito por Nelson de Sá às 09h11

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A parada e a atriz

Em segunda sem destaque claro, a Folha dá manchete para os investimentos na produção de alimentos e os efeitos da especulação; o "Valor" mostra que as mudanças propostas pelo consórcio vencedor da hidrelétrica de Jirau podem levar a disputas e novos atrasos nas usinas do Madeira; o "Globo" segue com o motorista que agrediu pedestre na Barra da Tijuca; e o "Estado" dá novos detalhes da Polícia Federal sobre o papel de Paulinho da Força no desvio de verbas do BNDES.

Folha e "Estado" abrem grandes fotos para a Parada GLBT, que foi mais contida nas fantasias, quebrou mais um recorde mundial e voltou a ser disputada por políticos, no caso, três candidatos a prefeito.

Folha, "Estado" e "Globo" também abrem foto na primeira página para Sandra Corveloni, a integrante do grupo Tapa que levou, para orgulho geral da nação, o prêmio de melhor atriz do festival de cinema de Cannes. (No blog Cacilda, um pouco mais sobre a atriz e diretora.)

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 08h29

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Déjà vu"

Venezuela e Colômbia brigam até pela cobertura da morte do líder das Farc. O vídeo do grupo guerrilheiro foi enviado à Telesur de Hugo Chávez, mas o jornal "El Tiempo", de Bogotá, colou no YouTube e deu as imagens, "embedded", em sua home page, na manchete. Não demorou e o vídeo foi "removido por violação de uso". Mas já tem outro na home.

E ele seguia no YouTube, em outras páginas, com o anúncio retumbante e esteticamente anacrônico da morte, proclamado por Timoleón Jiménez, jurando "diante da tumba de nosso comandante" que a "luta prossegue". E apresentando as novas lideranças, como o clone de Che da imagem à esq.

A nova edição da revista britânica "Economist" saúda a volta do jornal "El Espectador", de uma rica família colombiana, e diz que "um pouco de competição e diversidade é bom para a democracia colombiana". É que o "El Tiempo", alinhado ao presidente Alvaro Uribe, nem é mais de colombianos, mas do grupo espanhol Planeta.

E não é o único espanhol a avançar na imprensa da região. O grupo Prisa tem três jornais e TV na Bolívia, onde seu "La Razón" festeja o "fracasso" do conselho de segurança (esq.), e mais por Colômbia, Chile, Equador etc.

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje. 

Escrito por Nelson de Sá às 08h21

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores
Blog da coluna "Toda Mídia" (assinantes Folha e UOL), de segunda a sexta, pela manhã, escrito pelo jornalista Nelson de Sá.

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.