Toda Mídia
Toda Mídia
 

"People of the world"

Na íntegra, via Talking Points Memo, o vídeo com o comício global de Barack Obama em Berlim, na transmissão da CNN:

A coluna e o blog voltam na segunda-feira.

Escrito por Nelson de Sá às 12h00

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Dia D de Doha

Por aqui, o "Estado" deu editorial contra, mas as Globos se juntaram a Reinhold Stephanes no lobby ruralista contra a Rodada Doha.

Já o indiano "Economic Times" explicou os bastidores do esforço de EUA, Europa e interesses internos para romper a unidade de Brasil e Índia, dada como "crucial para o êxito das negociações". Também o "China Daily" sai em defesa da unidade de China, Índia e Brasil por Doha.

Nas negociações de última hora, Assis Moreira noticia no Valor Online que a União Européia "ofereceu ao Brasil cota para a exportação de etanol, de 1,4 milhão de toneladas por ano até 2020, para tentar um acordo". Mas os "negociadores brasileiros foram cautelosos na reação", apesar de considerarem a cifra "significativa".

O blog de Peter Mandelson, o negociador pela União Européia, retrata os bastidores das conversas, como seu estranhamento com a reação brasileira à oferta sobre etanol.

Escrito por Nelson de Sá às 11h23

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Para conter os "incidentes"

Sem mencionar os protestos pelas escolas que desabaram no terremoto, o "China Daily" avisa que servidores podem perder cargos públicos e no PC se responderem mal às demandas da população. As normas "vêm em reação à série de incidentes populares, num gênero variado de questões", desconversa o jornal, admitindo porém a "crescente preocupação da liderança central".

Também na capa, uma longa fila por ingressos para os Jogos. E
a notícia de que o país é o maior mercado de usuários da web, com 253 milhões de internautas ou "netizens" com acesso constante, segundo o Centro de Informações sobre Internet da China.

Escrito por Nelson de Sá às 10h25

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Obama, o vago

Abrindo fotos parecidas, "NYT", "WSJ", "WP" e "FT" não vêem muito o que noticiar de Barack Obama, além das proporções do comício.

O primeiro ressalta que ele é "vago", mas "agrada as massas" na Europa. O segundo, que pediu "relações rejuvenescidas" com a Europa (e que o republicano John McCain o acusou de cantar vitória). O terceiro, que cobrou união para "enfrentar as questões do século 21". O quarto, que defendeu derrubar "outros muros", entre raças, nações, ricos, pobres.

O "WP" confirma que McCain, "ansioso para reagir à cobertura de mídia que segue Obama", deve anunciar seu vice logo após o retorno do democrata. E antes que os "acontecimentos na China" tirem a atenção.

O "FT" abre com "a maior queda nas ações financeiras", de bancos, desde 2000. E o "WSJ" com a decisão do procurador-geral de Nova York de processar o banco UBS por suposta "fraude" em operações anteriores ao colapso nos mercados em fevereiro.

O "WSJ" destaca também as "perdas recordes" da Ford.

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 09h12

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bipartidarismo à paulista

Na Folha, Marta Suplicy e Geraldo Alckmin, PT e PSDB, "polarizam", ou seja, deixam Gilberto Kassab para trás, ele que "oscilou" para baixo.
 
 
No Rio, Marcelo Crivella (PRB) lidera e Eduardo Paes (PMDB) está "tecnicamente" em segundo. Candidato do governador, ele tomou o lugar de Fernando Gabeira na cobertura do Rio.
 
No "Globo", um dia após avançar contra o candidato de Crivella na Rocinha, a manchete segue a polícia do governador na comunidade. O "comandante da operação" achou o que o jornal chama de "prova de que o tráfico transformou a favela num curral eleitoral".
 
O "documento" encontrado "não cita o nome do candidato", mas o jornal afirma que é Luiz Cláudio de Oliveira, o aliado de Crivella. Procurados pelo "Globo", o juiz eleitoral do Rio e o próprio ministro da Justiça já prometem agir.
 
 
No "Valor", "ganhou força entre especialistas a avaliação de que as commodities já atingiram o pico" e agora, "contaminadas pelo petróleo, as cotações agrícolas tendem a seguir trilha descendente".

E na Rodada Doha, noticiam "Estado", "Valor" e Folha, "o Brasil deu sinais de que pode ceder aos países ricos e permitir importação de mais bens industrializados, mas Índia e Argentina relutam". O jornal econômico vê os brasileiros em "rota de colisão com indianos".
 
O chanceler Celso Amorim diz que hoje é o dia D para chegar a acordo.

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 08h26

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Depressão

Na manchete do site da "Economist", ontem à noite, "Obamamania toma a Europa", sublinhando que o discurso foi "bem-sucedido", para uma "multidão em massa" em Berlim, Alemanha.

Em contraste, a nova capa da revista semanal, que saiu horas antes, fala da "América infeliz". Mais até, "glum", melancólica. "Uma nação batida" que hoje lamenta a guerra e a crise de crédito imobiliário de George W. Bush, que teme ser ultrapassada pela China, que se vê em "declínio". Pode até estar, diz o editorial da "Economist" que busca reanimar a América, mas vai demorar.

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h12

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O discurso de Berlim

Drudge Report e Huffington Post, sites de referência na cobertura da eleição americana, e todos os demais estão tomados neste momento pela expectativa sobre o discurso de Barack Obama em Berlim, previsto para as 14h do Brasil. Expectativa que levanta comparações com John Kennedy e Ronald Reagan, que também discursaram por lá, mas que o democrata faz o possível para conter.

Enquanto isso, John McCain faz o possível para reagir à idolatria de Obama pelo mundo. Sua campanha postou nova imagem para associar o democrata a um ditador, no caso, Fidel Castro. Antes, foi com Mahmoud Ahmadinejad. Mas nada parece colar.

  

O que cola é a piada de Jon Stewart, que ontem explicou para outros canais a diferença entre Obama e Osama.

Escrito por Nelson de Sá às 12h00

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Para conter os protestos

Sabendo o que vem por aí, o estatal "China Daily" dá a manchete "Áreas para protestos [piquetes] são criadas nos Jogos". Avisa que são três, nada além. Ao lado, "Jogos serão grande sucesso, diz pesquisa" com chineses.

No Ocidente, cresce o destaque aos esportistas chineses, na capa do "WP" de hoje, e à economia, no "FT" que dá sua manchete tradicional à decisão chinesa de conter o crédito imobiliário. Na capa do "NYT", foto e longo relato mostram a pressão sobre os pais que perderam filhos nas escolas estatais, derrubadas pelo terremoto, para parar com protestos.

 

Escrito por Nelson de Sá às 10h48

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Os lares ou os mercados

O Congresso democrata, depois de George W. Bush prometer não vetar, aprovou projeto para "salvar centenas de milhares de proprietários sob risco de perderem seus lares", no dizer do "WP" _que deu manchete, mais foto com fila de mutuários atrás de uma chance de alívio das dívidas.

O "NYT" deu a notícia no alto, na mesma linha do "WP", sobre "centenas de milhares". Já o "WSJ" reclamou, já em seu enunciado na capa, que o projeto "vai aumentar o papel do estado nos mercados".

Na manchete, o "WSJ" sublinha que o "solavanco" na economia dos EUA reduziu a arrecadação e já leva Estados a cortar gastos e empregos.

Por outro lado, em sua manchete, o "FT" ressalta mais um dia de queda no preço do petróleo, já refletindo em menor cotação das commodities, como milho e soja, e em alta nas bolsas de EUA e Europa.

Na manchete do "NYT", o anúncio pela Casa Branca de que parte dos recursos antiterrorismo que os EUA repassam ao Paquistão devem ser liberados para reformar jatos paquistaneses. Eles não têm utilidade antiterrorista e sim na "rivalidade" com a Índia, o que leva a "resistência" no Congresso americano.

  

 

Escrito por Nelson de Sá às 09h34

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O freio, o tiro no pé

O salto inesperado de 0,75 ponto percentual nos juros está no alto de Folha, "Valor", "Globo" e "Estado". A primeira destaca o "freio na economia" e registra a frase de Lula, de que conter a inflação é uma "questão de honra".

O segundo diz que, "para os analistas, a intensificação do arrocho amplia a credibilidade do BC", mas avalia que "isso pode se transformar num tiro no pé: o choque de juros traz logo a inflação de volta à meta de 4,5%, o que derruba os juros longos e reduz o custo do crédito aos consumidores, alimentando a inflação".

Os outros dois registram que o BC "surpreendeu" e "endureceu", realizando "a segunda maior alta da era Lula".
 
 
Na manchete central do "Valor", "os preços de exportação dos produtos brasileiros atingiram o maior nível desde 1978", mas "o volume estagnou".

E enquanto o chanceler Celso Amorim tem reuniões sem fim na Rodada Doha, como destaca a Folha, o ministro da Agricultura pressiona no "Estado", dizendo que "diplomata nem sempre representa as realidades" e que o esforço do Itamaraty "não serve para nada".
 
 
A manchete do "Globo" traz foto "recente" de José Rainha, que "comanda invasões em São Paulo", com o candidato a vereador Claudinho, presidente da associação de moradores da Rocinha _e que "estaria impedindo adversários de fazer campanha". No fim, a explicação de que Marcelo Crivella, "que tem em sua coligação o PSDC" de Claudinho, "visitou a Rocinha, sem policiais", ontem.
 
E hoje pela manhã, na manchete do Globo Online, a polícia de Sergio Cabral, governador do PMDB, "faz operação com 300 homens na Rocinha". Até o momento, "duas pessoas teriam morrido".

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 08h24

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Tribo

Na mídia de celebridades, que só faz crescer, a notícia do dia foram as fotos do bebê de Matthew McConaughey com a brasileira Camila Alves, na revista "Ok!". Duas semanas antes da publicação, quando a criança nasceu, o site TMZ deu e a cobertura toda reproduziu que a revista teria pago US$ 3 milhões pelas imagens, como é regra, agora.

O ator conta à "OK!" que foi um parto "tribal", que ele acompanhou tocando e dançando "música brasileira". Ecoou de "Los Angeles Times" a "Sun", "NY Post", E!, Huffington Post etc.

Para concorrer com o bebê hollywoodiano, nas buscas de notícia sobre Brasil, só mesmo "o mistério dos pingüins mortos" nas praias, às centenas, há dois meses. A CNN deu longa reportagem sobre o fato "alarmante", talvez "início de uma tendência", e responsabilizou a "pesca excessiva" ou, quem sabe, o "aquecimento global".

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h09

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O meliante da novela das seis e o habeas corpus

Ontem no global "Casseta e Planeta", que já viveu dias melhores, mas ainda acerta às vezes, sobretudo com Reinaldo:

Para um "Casseta e Planeta" ainda não inteiramente globalizado, eles têm um canal no YouTube.

Escrito por Nelson de Sá às 11h30

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Minimanual contra o guerrilheiro urbano

Na manchete do "China Daily", o "manual" dos chineses contra ameaças terroristas durante os Jogos Olímpicos. Sobre objetos suspeitos: "Fique calmo, não toque, vá para longe rapidamente e envie mensagem de texto para a polícia, se possível com uma foto".

Na imagem da capa do jornal estatal, mais uma "tragédia" com mineiros mortos, agora na região de Guangxi Zhuang.

Também em destaque, como nos jornais ocidentais, a prisão do ex-presidente sérvio Radovan Karadzic.

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 10h58

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Fannie & Freddie, a crise continua

"NYT" e "FT" seguem com a crise de crédito nas manchetes. O primeiro noticia que os juros de hipotecas saltaram com a crise de Fannie Mae e Freddie Mac. O segundo descobriu que a operação de resgate do Tesouro americano às duas gigantes hipotecárias "pode custar" US$ 25 bilhões em recursos públicos.

Já o "WSJ", cada vez mais editorializado e pró-republicano, ressalta que o governo da Índia sobreviveu a uma votação parlamentar, convocada contra o acordo nuclear com os EUA, e diz que o "ônus" da aprovação está agora com os democratas do Congresso americano.

Na campanha, o "WSJ" perfila favoravelmente o novo chefe de campanha de John McCain, que antes trabalhou com o vice, Dick Cheney.

Já o "WP" dá manchete para a turnê de Barack Obama, que após visitar o Iraque reafirmou seu plano para a retirada das tropas. E acrescenta que um dos principais arrecadadores de McCain é processado por fraude.

"NYT" e "FT" destacam com fotos e reportagens a prisão do "infame" Radovan Karadzic, celebrada em Srebrenica, na Bósnia, onde 8.000 "homens e meninos" foram mortos na operação de "limpeza étnica" comandada pelo ex-presidente sérvio, que vivia ultimamente travestido de conselheiro "New Age".

 

 

Escrito por Nelson de Sá às 09h53

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A sujeira da lista

Folha e "Estado" abrem com a lista supostamente "suja", entre aspas só na primeira _que destaca no enunciado a crítica dos candidatos à associação de magistrados que elaborou e postou a relação em seu site. Em São Paulo, a ação atinge Marta Suplicy e Paulo Maluf, em benefício de Geraldo Alckmin e Gilberto Kassab.

No Rio, o "Globo", que fez campanha pela lista, apenas registrou. Sua manchete, com registro nos jornais paulistas, foi para a prisão do "deputado de milícia", que é "do partido do prefeito" do Rio, aliás, o DEM.

Na capa só da Folha, o governo fez acordo com entidades patronais e desistiu de acabar com o chamado Sistema S, que garante a gestão por líderes patronais de R$ 4,8 bi em recursos públicos, de impostos.

Ontem também, Paulo Skaf, presidente da Fiesp e de seus Serviços, surgiu no horário nobre estrelando campanha do Senai.

Na cobertura da infindável Rodada Doha, desde Genebra, o "Valor" noticia que os "EUA oferecem pouco e pedem contrapartida".

Na manchete, após americanos e europeus, "investidor asiático descobriu o Brasil". Por enquanto, japoneses e sul-coreanos, chineses não.

 

  

Escrito por Nelson de Sá às 08h35

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Amor por Obama

Como Hillary Clinton, que perdeu, John McCain vai ao ataque contra a mídia nos EUA, por favorecer Barack Obama.

Ontem, enquanto o democrata prosseguia com as "photo-ops" e entrevistas sem fim desde Israel, a campanha republicana transmitia e postava em seu canal no YouTube seu novo "ad" ou comercial, ironizando principalmente a NBC, com a música "Can't Take My Eyes Off You" ou não posso tirar meus olhos de você. A NBC reagiu.

Antes, no final de semana, passou para o Drudge Report que o "New York Times" havia se recusado a publicar um artigo enviado por McCain _afinal publicado ontem no conservador "Wall Street Journal", junto com editorial criticando o concorrente "NYT".

Mas o mesmo Drudge já destacava ontem um despacho da Associated Press e uma coluna de Robert Novak noticiando que, sem saber mais o que fazer para concorrer com Obama em exposição de mídia, McCain estaria perto de anunciar seu vice.

   

Do mesmo grupo editorial Condé Nast e com redação no mesmo prédio, em Nova York, a "Vanity Fair" saiu em apoio à "New Yorker", criticada por sua capa da semana passada, com Obama terrorista.

Para "dar cobertura" (cover, trocadilho com capa em inglês), o site apresenta um McCain ancião, com andador e curativos para seu câncer de pele, mais a Constituição sendo queimada na lareira e um retrato de George W. Bush na parede.

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h10

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores
Blog da coluna "Toda Mídia" (assinantes Folha e UOL), de segunda a sexta, pela manhã, escrito pelo jornalista Nelson de Sá.

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.